quarta-feira, 28 de março de 2012

26 - Os filhos do grande rei - Veneranda (1947)

Cipião, um ancião muito amoroso e atencioso, ao se ver rodeado por crianças de todas as idades se põe a contar, a pedidos, uma história narrada por Jesus, que segundo ele, a contara às crianças galileias.
Ele traz uma bela história sobre um Pai amoroso que deseja amparar seus filhos, auxiliando-os em sua evolução. Para isso, conta com o auxílio de bondosos colaboradores.
De forma clara, objetiva e lúdica, Cipião vai narrando a história da escola à qual, este pai amoroso, o Grande Rei, envia seus filhos, os princepezinhos para o laborioso aprendizado.
Ao decorrer da narrativa o leitor vai se deliciando com a simplicidade da fábula que nos envolve e nos faz refletir sobre o mundo em que vivemos e que ora estagiamos: nosso planeta Terra - a Escola de Deus.
Essa escola tem "a beleza do paraíso, a delicadeza dum jardim e a sublimidade dum templo".
Veneranda, esse espírito iluminado alude à claridade do raciocínio e da inteligência para que tomemos cuidado em evitar o mal e sintamos a alegria na prática do bem.
Este é um livro indicado para todas as idades e que deve ser lido e relido para nos lembrar de quão generoso é o nosso Pai Celestial ao nos proporcionar tamanho aprendizado e amor. (Valéria Knopp)


SINOPSE: O Divino Mestre ama as crianças com especial carinho. Ele sabe que os meninos e meninas do presente serão pais e mães no futuro. Sabe que todos os pequeninos de hoje serão os administradores, ministros, juízes, professores, médicos, advogados, artistas, escritores, artífices, lavadores e operários de amanhã, e, por isso, simboliza neles a esperança do mundo, onde o reino de Deus será edificado.
Jesus reconhece que, se os meninos de agora quiserem, a Terra do porvir será melhor, mais sábia e mais feliz.
É por essas razões que o Divino Senhor, se aguarda a compreensão e o concurso dos homens bons, também espera a cooperação das crianças fiéis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O tempo do Autoencontro - A necessidade e o papel do deserto em nossas vidas - ROSSANDRO KLINJEY

SINOPSE: Quem em sã consciência convida alguém para uma incursão ao deserto? E quem se arrisca a tal aventura? E se o smartphone ...