quarta-feira, 28 de março de 2012

50 - Ave, Cristo! - Emmanuel (1953)


Esta obra é a terceira da série de Emmanuel, onde constam: Há dois mil anos; Cinquenta anos depois; Ave, Cristo!; Renúncia e Paulo & Estevão.
Um livro emocionante do começo ao fim, que narra a história de convicção, devoção e entrega ao Cristianismo na data de 150 D.C. onde encontramos Quinto Varro, um espírito evoluído, do qual ainda não consegue prosseguir sua jornada evolutiva enquanto seu filho, Taciano, continua nas sombras das torturas inquietantes da negação ao Cristo. 
Assim, ele solicita aos mentores sua nova jornada terrena para tentar novamente conduzir o filho amado aos braços do Cristo.
A partir de então, sua trajetória é vivenciada por muito sacrifício, amor e devoção ao Mestre Nazareno e ao filho tão amado. 
Uma história cheia de intrigas, amores, luxos, narrados na época da grande força romana, onde a luxúria, a volúpia e os valores materiais sobrepujavam os morais.
Uma história envolvente que traz o drama paterno para conduzir o filho amado ao Mestre Nazareno e abraçar o cristianismo em sua sublime iluminação. 
Não há como não se emocionar e se motivar a seguir o Cristo!
..."somos um templo vivo em construção, através de cujos altares se expressará no infinito a grandeza divina. Nas experiências da Terra, porém, conseguimos edificar tão-somente os alicerces do santuário, prosseguindo, além da morte do corpo, na complementação da obra sublime. Nas lutas da existência animal, desenvolvemos as potencialidades do espírito, habilitando-nos à elevação aos pináculos da vida." 
(Valéria Knopp)


SINOPSE: "Ave, Cristo! Os que vão viver para sempre te glorificam e saúdam!"
Esse sublime estandarte, que centenas de almas radiantes seguravam no mundo espiritual, mártires do Cristianismo encontravam após os seus sacrifícios nos circos romanos.
Conduzindo o leitor ao terceiro século do Cristianismo, esta obra, ditada a Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel, traz aos cristãos de hoje o valoroso exemplo de simplicidade, confiança e amor com que os pioneiros da Boa Nova se entregaram ao serviço do Divino Mestre, tendo por sustentá-los os recursos de uma poderosa e inquebrantável fé.
Em lances comoventes, é narrada a história de duas almas, Quinto Varro e Taciano, ligadas por várias reencarnações, na qual podemos sentir o quanto pode realizar o verdadeiro amor, em suas manifestações de solidariedade a bem das criaturas humanas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O tempo do Autoencontro - A necessidade e o papel do deserto em nossas vidas - ROSSANDRO KLINJEY

SINOPSE: Quem em sã consciência convida alguém para uma incursão ao deserto? E quem se arrisca a tal aventura? E se o smartphone ...